início da navegação

RESENHAS

(para fazer uma pesquisa, utilize o sistema de buscas no site) VOLTAR IMPRIMIR FAZER COMENTÁRIO ENVIAR POR E-MAIL

Drama anarquista começa em casa

Miguel Sanches Neto*

A Colônia Cecília foi a primeira e mais importante experiência comunitária fundada por imigrantes anarquistas italianos no Brasil, em 1890. Ideologicamente superada antes de sua fundação, economicamente desastrosa, ela também simbolizou uma experiência libertária, um mito romântico que provocou a imaginação de vários autores. O mais recente a beber nessa fonte foi o jornalista e escritor Miguel Sanches Neto, que está lançando o romance "Um Amor Anarquista".

O livro cria a história da vida privada dos seus personagens --não há registros extensos da intimidade na colônia. Mostra o dia-a-dia de privações e a idéia do amor livre transformada em melancólico infortúnio pessoal.

"As próprias famílias dos descendentes silenciaram porque acharam que a história dos parentes era vergonhosa", diz Sanches Neto, que também é autor de "Herdando uma Biblioteca" (Record, 2004) e do livro de contos "Hóspede Secreto" (Record, 2003).

Desde 1994 o autor alimentava o projeto do romance. Usou como base para o trabalho ensaios que traduziu do fundador da colônia -o anarquista italiano Giovanni Rossi (1856-1943). "Fui colocando carne nesse esqueleto", afirma. "Da prostituta [Maria Malacarne] existem comentários de jornalistas e descendentes. Outras personagens foram criadas a partir de dados que não são historicamente comprovados, mas existiam comentários", diz.

Sanches Neto não construiu o romance pensando em crítica, mas quis apontar as contradições de uma história que considera "bonita". De início, os anarquistas foram bem recebidos pela sociedade local e a colônia teve no auge cerca de 250 moradores. Mas a cultura provinciana acabou se chocando com a experiência. "Muitos ficaram marcados. Anibal [um dos personagens] virou sinônimo de corno na região. Descendentes dos pioneiros silenciaram porque acharam que a história era vergonhosa. Hoje estão valorizando a origem", diz.

A experiência foi efêmera. Em 1893, Rossi retirou-se da Colônia, que se manteve, no entanto, por mais um ano. Foi trabalhar como agrônomo e veterinário no Rio Grande do Sul. Mais tarde, transferiu-se para Santa Catarina, onde colaborou na criação das primeiras cooperativas agrícolas. Em 1906 regressou definitivamente à Itália, onde morreu em 1943.

Há um livro que registra com riqueza o episódio: "O Anarquismo Experimental de Giovanni Rossi", de Candido de Mello Neto (ed. da UEPG, 1996). A história também foi abordada em filme de Jean-Louis Comolli, "La Cecilia" (1975), uma produção franco-italiana. Também teve uma minissérie exibida pela TV Bandeirantes em 1989, "Colônia Cecília", dirigida por Hugo Barreto, com Paulo Betti e Gabriela Duarte. E a história também é superficialmente abordada por uma ilustre descendente dos colonos da Cecília: Zélia Gattai, que se inspirou nos avós para escrever "Anarquistas, Graças a Deus" (ed. Record, 1979).

MARCOS STRECKER
DA REPORTAGEM LOCAL - FSP 03/09/2005

Sobre o Autor

Miguel Sanches Neto: Escritor paranaense e crítico literário, assinando coluna semanal no maior diário do Paraná, a Gazeta Povo (Curitiba), tendo publicado só neste jornal mais de 350 artigos sobre literatura, fora as contribuições para outros veículos, como República e Bravo!, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde (São Paulo) e Poesia Sempre e Jornal do Brasil (Rio de Janeiro).

 

< ÚLTIMA RESENHA PUBLICADA | TODAS | PRÓXIMA RESENHA >

LEIA MAIS

120 HORAS,  por Luis Eduardo Matta.
120 HORAS é o relato assustador e quase real de uma conspiração diabólica que arrasta homens e mulheres comuns para um labirinto de situações insólitas e nebulosas.  Leia mais
Um olhar sobre a mulher,  por Ana Valença.
“Namoro na porta, só quem tivesse emprego e já viesse com a data do casamento na ponta da língua.”  Leia mais

Faça uma pesquisa no sítio

Utilizando-se uma palavra no formulário, pesquisa-se conteúdo no Sítio VerdesTrigos.

Ir ao início da página