Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Moacyr Scliar


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

Prefácio de Paisagem vista do trem

por Moacyr Scliar *
publicado em 12/7/2008.

PREFÁCIO
do livro Paisagem vista do trem
de Antonio Calloni

Concentração de renda é uma coisa da qual ninguém gosta. Mas concentração de talentos é outro papo, é uma surpresa sempre agradável e, mais que agradável, entusiasmante: dá testemunho das múltiplas possibilidades do ser humano. Antonio Calloni é, como todos sabem, um belo exemplo de talento multifacético. É o ator que todos nós admiramos, na tevê, no cinema, no teatro. A partir da minissérie Anos dourados (Globo, 1986), foram numerosos os seus trabalhos na tevê, incluindo Os Maias, Terra nostra, Chiquinha Gonzaga e Amazônia, de Gálvez a Chico Mendes. No cinema, atuou em Policarpo Quaresma, herói do Brasil, de Paulo Thiago. Mas Calloni é também escritor e poeta, o autor de Os infantes de dezembro (1999), A ilha de sagitário (2000), Amanhã eu vou dançar - Novela de amor (2002), O sorriso de Serapião e outras gargalhadas (2005). Um trabalho recebido com aplausos. "Fino prosador, alçando a nossa miséria à marca exemplar da fábula", diz João Gilberto Noll na orelha de O sorriso de Serapião e outras gargalhadas. "Isto que tem às mãos, leitor, é literatura transcendente", garante Pedro Bial ao analisar Amanhã eu vou dançar - Novela de amor. E ninguém menos do que o grande Manoel de Barros afirma, a propósito de Os infantes de dezembro: "Sua poesia vem de uma aguda percepção da nossa mais vulgar vivência. Gosto de tudo".

Com Paisagem vista do trem, Antonio Calloni nos dá mais uma demonstração de seu enorme talento poético, um talento que resulta de um notável domínio da forma associado a uma profunda sensibilidade. Tomem, por exemplo, Notícia sobre a criança. Ali, Calloni nos diz: "a mulher com morte cerebral / deu à luz / uma criança". Esses versos, ele os repetirá três vezes: para que esse brutal fato da vida se imponha à nossa desamparada incredulidade. Mas Calloni não fica nisso. Ele não quer que fiquemos nisso, na incredulidade, na tristeza. Ele quer que partamos da morte para descobrir a vida. De novo temos o jogo poético da repetição, mas desta vez galgando patamares da reflexão (aquilo que sempre fazemos quando meditamos sobre o sentido da existência) até chegarmos a um decisivo final: "a morte deu à luz / uma vida / anterior à poesia / superior a notícia". Uma pausa, e o derradeiro verso: "e a luz se fez". Uma sentença bíblica, que nos remete ao mistério da criação, porém com outro sentido. A luz se faz não com o "Fiat lux" do Gênesis, mas quando o ser humano supera suas limitações, quando a vida de um ser compensa a morte de outro. Outra celebração da condição humana temos em "Quem são essas pessoas?". Esse é um poema que, como Neruda em El libro de las preguntas, é feito de indagações. Indagações que parecem nascer da surpresa, da estranheza:

Quem são essas pessoas
que sonham com carros antigos?
Quem são essas pessoas
que compram o Gordini sonhado
com pouco soldo e lhe vestem roupa nova
e moderna?

A estranheza aqui não é só daqueles que nunca ouviram falar de um carro chamado Gordini; a estranheza, a deslumbrada estranheza, é de todos nós, diante de pessoas que dedicam a um carro antigo um inesperado carinho. Mas Calloni não fica aí. Ele tem mais perguntas a fazer. Como Sócrates, ele acredita que a interrogação é o caminho para a descoberta do outro. E assim ele indaga:

Quem é esse homem
que ainda se espanta com a beleza
da mulher amada
e que não se cansa de se extasiar
com a robustez das suas coxas?

Perguntas encontramos também em "A primeira moradia": "Que luz é essa que percebo / com meus olhos ainda mal formados?". É a criança que pergunta, e que quer não apenas respostas, mas, ainda no útero, quer o conforto e o apoio da mãe, porque, e notem a beleza destes versos, "eu sei coisas pelo teu ventre / mas é tua alma que sabe de mim". "Inventei meu verbo, meu tempo", diz Calloni, em "A moça maior". E mesmo que o verbo fale de "torta senda, verdade louca", o resultado é uma celebração poética. Para a qual todos nós, admiradores de Antonio Calloni, estamos convidados.

do livro Paisagem vista do trem
de Antonio Calloni

Sobre o Autor

Moacyr Scliar: Nasceu em Porto Alegre, em 1937. É formado em medicina, profissão que exerce até hoje. Autor de uma vasta obra que abrange conto, romance, literatura juvenil, crônica e ensaio, recebeu numerosos prêmios, como o Jabuti (1988 e 1993), o APCA (1989) e o Casa de las Americas (1989). Já teve textos traduzidos para doze idiomas. Várias de suas obras foram adaptadas para o cinema, a televisão e o teatro.

O centauro no jardim, A majestade do Xingu, A mulher que escreveu a Bíblia e Contos reunidos são alguns dos livros marcantes de sua vasta obra literária, que soma hoje mais de 70 títulos publicados. Entre os recentes, destacam-se o romance Na noite do ventre, o diamante e o juvenil Um menino chamado Moisés, uma reconstituição imaginária da infância do famoso personagem bíblico.

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


A Gramática e o Futebol, por André Carlos Salzano Masini.

OPERAÇÃO GOIABA BICHADA, por Miguel Sanches Neto.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos