VerdesTrigos em 09/07/13

Dentro da programação da Semana Guilherme de Almeida, que será aberta hoje a partir das 14 horas, a escritora Elisa Andrade Buzzo e a editora Arlete Zebber irão receber amigos e convidados – a partir das 15h30 – para mais uma sessão de autógrafos do livro "Reformas na Paulista e um coração pisado", aproveitando a ocasião Elisa vai ler a crônica “As janelas de Guilherme”.
Casa Guilherme de Almeida, Rua Macapá, 187, Perdizes, São Paulo, tel.: 3673-1883

1002704_554526181271775_367185533_n
O livro é um lançamento da Oitava Rima Editora, uma nova casa editorial estabelecida em São Paulo. (via Guilherme Loureiro)

image“A honra da literatura é evi­denciar que o homem não é a “fina flor da criação” – essa é a ilusão de seu ser religioso – e sim Sicut pa­lea, isso que Lacan almejava que um analista descobriria ser ao fi­nal de sua análise: nada, dejeto, estrume. E dessa condição de “exi­lado das coisas“, de falta do obje­to, seu ser de desejo pode emergir. Isso é o que melhor a literatura nos mostra. Um mundo de desejos incandescentes, como de forma tão linda Vargas Llosa escreve. Então, por que alguém escre­ve? Cada romancista tem seus mo­tivos. Salman Rushdie, o escritor indiano-mulçumano, autor de Os versos satânicos, alega que escreve para preencher o lugar esvaziado de Deus; Marguerite Duras para cons­truir um exílio, uma pátria do verbo, “uma pátria sem terra, sem nação, a mais sólida do mundo, a mais indes­trutível”. (Andréa Brunetto)

Apai­xonada pela psicanálise, apaixonada pela literatura, Andréa Brunetto transparece essa paixão em to­das as páginas deste livro que, como diz o título, está na fronteira entre uma e outra. Fiel ao preceito de Lacan de que o psicanalis­ta não deve tentar encontrar, a partir de sua obra, as neuroses de um autor, ela se vale dos textos de renomados escritores – como Freud fez com a Gradiva, de Jensen – para ensinar aquilo que o romancista revela, de­monstrando o que ela nos anuncia nas pri­meiras páginas: de que a psicanálise pouca importância tem para a literatura, mas esta tem muito valor para o analista.

Tomando-nos pela mão, Andréa nos faz com­panheiros e confidentes da viagem através desse litoral como se estivesse conversando conosco e tornando-nos cúmplices do seu ar­rebatamento para mostrar como, tanto no amor como no exílio, somos todos estrangei­ros, “desterrados do país-infância”, exilados do inconsciente e habitantes dessa outra cena. Por isso ela pode passear por autores e lugares tão diversos como Imre Kertész, Elfried Jelinek ou Orhan Pamuk, entre ou­tros, e Auschwitz, Viena ou Istambul, evi­denciando que não só a psicanálise, mas também a literatura não tem pátria nem fronteiras.

Porém, não nos enganemos com essa aparente simplicidade. Ela é fruto de uma extensa lei­tura e grande familiaridade com todos os es­critores citados, tanto de um território quanto do outro, evidenciando que o gosto pela lite­ratura que herdou do pai – como nos infor­ma logo nas linhas iniciais – foi inteiramente conquistado por ela (segundo a recomendação freudiana), pois assumido como um desejo seu e “anexado” àquele pela psicanálise.

Viajando por tantas terras, este livro é uma carta-letra que sem dúvida chegará ao seu destino. (Andréa Rodrigues)

LANÇAMENTO

Todos estão convidados para o próximo dia 14 de junho, acompanhar o lançamento deste livro em um coquetel que será realizdo às 20h30, no Grand Park Hotel, em Campo Grande. A entrada é gratuita.

SOBRE A AUTORA:  Andréa Brunetto

Psicanalista, psicóloga, membro (AME) da Escola de Psicanálise dos Fóruns do Campo Lacaniano, funda­dora do Ágora Instituto Lacaniano, de Campo Grande. Autora de Psica­nálise e educação: sobre Hefesto, Édi­po e outros desamparados dos dias de hoje (UFMS, 2008). Escreve, publica e apresenta traba­lhos na interface da psicanálise com outros saberes.  Atualmente é conselheira do CRP14, coordenando a Comissão de Ética.

http://andreabrunetto.blogspot.com.br/

 

espalhe cultura  

VerdesTrigos em 11/06/13

Daniel, Hoffmann, Carlos Henrique, Pedro Caroço. Cubano, argentino, brasileiro. Todos foram – são – José Dirceu, personagem cuja trajetória se confunde com a história da esquerda latino-americana na segunda metade do século XX, e particularmente com a do Brasil, já no século XXI. Dirceu foi líder estudantil em 1968, protagonista do histórico congresso da UNE em Ibiúna. Capturado, seria um dos presos trocados pelo embaixador americano. Expatriado e isolado em Cuba, quedou-se protegido por Fidel Castro, que o escolheria para comandar – já com um novo rosto – um foco guerrilheiro no Brasil. Desbaratado o movimento, encarcerados ou mortos cada um de seus integrantes, sobreviveria para mergulhar num longo período de clandestinidade, a ser somente interrompido, em 1979, pela anistia. Livre, conheceria o sindicalista Lula, fundaria o PT e se tornaria o mais afamado articulador político do petismo – mentor do programa que isolaria setores sectários do partido para construir a mais poderosa e inclemente máquina eleitoral da história do país. Em 2003, pela via democrática que não ajudara a construir, alcançaria o Palácio, ministro mais importante de um presidente eleito pela esperança. E então o mensalão… De súbito desempregado, era o mais novo consultor da República, capitalista convicto, lobista feito milionário. E então o julgamento do mensalão… A condenação. Este livro discorre sobre os caminhos de um homem que é muitos, e sobre sua capacidade de se reinventar. É sobre o comandante Daniel, o argentino Hoffmann, o comerciante Carlos Henrique, o namorador Pedro Caroço. É sobre as escolhas, muito mais que os fins. É sobre a ambição e o desejo, muito mais que o poder.

image

Jerusalém ganha biografia inovadora

O autor de “Jerusalém – A Biografia” (Companhia das Letras), o historiador britânico Simon Montefiore, explica os diferenciais da obra em relação a outros livros já lançados sobre a cidade. “Não queria escrever para acadêmicos; a maioria dos livros sobre Jerusalém é muito seca, sem vida, com um monte de detalhes sobre qual reino, qual igreja foi construída pelas Cruzadas, em épocas passadas”. Montefiore retratou Jerusalém como uma personagem. Segundo ele, na Bíblia, a cidade é sempre descrita como uma linda mulher – e é como ele a vê. Assim, procurou contar as histórias das famílias, civilizações, tanto quanto a das construções. Por isso, trata-se de uma biografia, “porque é sobre as pessoas”. O livro também relata as conquistas da cidade, desde os egípcios, assírios, babilônios, passando pelos romanos, bizantinos, otomanos, ingleses, até o conflito entre palestinos e israelenses.

A Igreja Católica passa por um momento importante. A renúncia do papa Bento XVI e a chegada do novo papa Francisco não foram ignoradas por ninguém e enchem de esperança aqueles que acreditam que tempos melhores virão. Mas o que pensa o novo líder da Igreja? Seria ele liberal ou conservador? Que postura podemos esperar da Igreja que busca renovação, mas é baseada em valores tão tradicionais?

Neste livro, o papa Francisco, em um diálogo aberto e muito honesto com o rabino Abraham Skorka, revela tudo que pensa. As reflexões sobre Deus, ateísmo, aborto, morte, fundamentalismo e tantos outros temas dão uma ideia real do que estará por trás das ações do novo papa. Agora que você já sabe quem ele é, conheça também suas ideias, seus valores e sua fé. O papa Francisco, cardeal Jorge Mario Bergoglio, e o rabino Abraham Skorka, reitor do Seminário Rabínico Latino-americano, são dois grandes incentivadores do diálogo entre as religiões, através do qual buscamos construir horizontes comuns diluindo as particularidades que as caracterizam. Sobre o céu e a terra é o resultado de uma série de conversas profundas, realizadas na sede do Episcopado e na comunidade judaica Benei Tikva. Em seus encontros apareceram as mais variadas questões teológicas e terrenas. Deus, o fundamentalismo, os ateus, a morte, o Holocausto, a homossexualidade e o capitalismo são apenas alguns dos temas sobre os quais nos dão as suas opiniões o novo líder da Igreja Católica e o prestigiado rabino Skorka. “A obra-prima de Deus é o homem.” – Papa Francisco “[Este livro] é coisa inteligentíssima.” – Elio Gaspari, jornalista da Folha de S.Paulo e de O Globo

imageimage

Blog Widget by LinkWithin