O conceito de «violência simbólica» foi cunhado por Pierre Bourdieu, sociólogo francês, e permite compreender melhor as motivações profundas que se encontram na origem da aceitação de atitudes e comportamentos de submissão.
Nas relações sociais em que o vínculo é de domínio/submissão, os dominados, inconsciente e involuntariamente, assimilam os valores e a visão do mundo dos dominantes e desse modo tornam-se cúmplices da ordem estabelecida sem perceberem que são as primeiras e principais vítimas dessa mesma ordem. Não são violentados nem por palavras nem por actos, aparentemente não há coacção nem constrangimento, mas a violência continua lá sob forma subtil e escondida, sob forma de violência simbólica: o modo de ver, a maneira de valorar, as concepções de fundo são as dos dominantes, mas os dominados ignoram totalmente esse processo de aquisição e partem ingenuamente do princípio que essas ideias e esses valores são os seus.
A relação de domínio não é percebida como uma relação de força em que o mais forte impõe a regra e a norma ao mais fraco, e, não se compreendendo que deve ter começado algures no espaço e no tempo, é aceite como um dado, uma inevitabilidade e desse modo é naturalizada. Acontece ainda que as instituições religiosas, políticas, sociais e culturais convergem no sentido de reforçarem esta característica.
Poderia parecer que a violência simbólica se exerce apenas sobre os dominados, mas não é assim. Para que o domínio se perpetue e não seja detectado e denunciado, é preciso que não só as identidades dos dominados, mas também as dos dominantes sejam construídas em conformidade com estes dois modelos de comportamento, não se desculpando a mais leve transgressão, o mais ligeiro desvio à norma. É por isso que «um homem não chora»; que um menino que gosta de brincadeiras menos agressivas é um «mariquinhas», que certas profissões são impróprias para homens, etc. etc. – é preciso garantir a reprodução das estruturas de domínio. Cada homem está também sob a pressão constante de afirmar a sua virilidade e a sociedade é implacável para aqueles que são “frouxos” – é preciso garantir a manutenção dessas estruturas. Esta pressão começa cedo, na escola, os meninos perseguem sempre aquele que parece não se conformar à norma e, pela vida fora, qualquer homem sente que tem de estar à altura da ideia que tem do que é ser homem.
Nesta camisa de forças que é a violência simbólica – exercida através de um conjunto de mecanismos subtis de conservação e reprodução das estruturas de domínio, mulheres e homens têm poucas opções; estará a sua liberdade ferida de morte? (via Sexismo e misoginia)
Share this on Orkut!
Blog Widget by LinkWithin

Tags: , , , ,

2 Comentários on violência simbólica, estruturas e consequências

  1. ariany disse:

    muuuiito…legal adorei saber + sobre violência simbólica!!!!

  2. mcecilia disse:

    que site bom! se um maior número de pessoas for levado a assimilar este conceito e reavaliar as suas atitudes, estudando, refletindo, tomando consciencia do quanto é, e todos somos, envolvidos nessa trama, algo pode começar a ser transformado em todos os setores da sociedade, porque os mais vitimados são, exatamente, aqueles que inconscientemente, desenvolvem sistemas e ideias atraves dos quais se reproduzem as mais diversas formas de violencia simbolica.

Deixe uma resposta

Twitter Users
Enter your personal information in the form or sign in with your Twitter account by clicking the button below.