Homem ao mar é uma ficção policial. Joaquim Nogueira, seu autor, sempre gostou de histórias policiais, com crimes, mortes, com suspenses e violência, e dos acontecimentos do mundo marginal. Nesse terceiro romance, qualquer semelhança talvez não seja uma mera coincidência para esse escritor que se aposentou como delegado e por isso transitou no mundo real do crime que, para ele, hoje é pura ficção.

Joaquim Nogueira disse que, ao escrever Homem ao mar, partiu de uma situação psicológica de seu personagem para iniciar o romance e fazer dele uma narrativa diferente, distante dos padrões de um romance convencional do gênero em que há um crime, investigações e por fim o esclarecimento do fato, com culpados e um desfecho esperado para a história.

Em Homem ao mar, os acontecimentos tomam rumos inusitados, o olhar do narrador é diferente e leva o leitor a ver esse mundo de violência de outro ângulo, o que o instiga e o envolve na leitura. “Aproveitei esse fluxo de consciência do personagem para criar um marginal brasileiro”, diz Nogueira. Nesse romance, não é somente o marginal que é brasileiro, também os investigadores e policiais têm um perfil mais próximo da realidade do país. Sua vivência numa profissão policial ofereceu matéria-prima de sobra para as nuances de seus personagens. Em clima noir, como seus outros dois romances, Homem ao mar, afinal, é uma história de todos aqueles para cuja vida não há salvação nem resgate.

“Quis escrever uma história policial do ponto de vista do assassino, que é também vítima. Um marginal que narra os fatos não para um público, para um leitor eventual, mas para si mesmo. Caído na rua, de noite, baleado, tentando manter a lucidez, o bandido conta sua história para si mesmo, sem técnica, sem esmero, até mesmo sem clareza, às vezes. E sua história é um rol de contradições, incoerências, obscuridades. O personagem é torpe, mas é também romântico e sincero, frio no cometimento dos crimes mas também sentimental em relação às pessoas que ama, honesto e desonesto, humilde e ganancioso, capaz dos maiores gestos e das maiores baixarias. O mistério da história não é resolvido, de modo que não há uma “satisfação ao leitor”. Alexandre da Silva, que tem outras identidades, não quer ensinar nada a ninguém, nem a ele mesmo. Gostaria de voltar aos braços da mãe, mas aos 40 anos, caído na rua, ferido a bala e morto de medo, é um pouco tarde para isso”, diz o autor.

Joaquim Nogueira é advogado formado pela USP e delegado aposentado. Nasceu em 1948, em Sena Madureira no Acre, e vive em São Paulo há mais de 50 anos. De família humilde, foi pintor, auxiliar de escritório, depois oficial de Justiça. Homem ao mar é seu terceiro romance, tendo publicado Informações sobre a vítima (2002) e Vida pregressa (2003), ambos pela editora Companhia das Letras.

Lançamento em São Paulo, Capital comprar
Livro: Ficção policial e de mistério – Homem ao Mar
Autor: Joaquim Nogueira
Editora: Miró Editorial
Site: http://www.miroeditorial.com.br
Twitter: http://www.twitter.com/#!/MiroEditorial

Data: 3 de novembro de 2011
Horário: das 18h30 às 21h30
Local: Livraria Cultura – Loja de Artes – Conjunto Nacional
Endereço: av. Paulista, 2073 – Fone: (11) 3170-4033
Preço de Capa: R$ 34,00
Páginas: 216

Share this on Orkut!
Blog Widget by LinkWithin

Deixe uma resposta

Twitter Users
Enter your personal information in the form or sign in with your Twitter account by clicking the button below.