Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS Chico Lopes


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

Segunda antologia de escritoras: 30 contos femininos

por Chico Lopes *
publicado em 31/5/2005.

O escritor Luiz Ruffato, um dos nomes mais famosos da atual literatura brasileira, organizou e lançou em julho de 2004 uma antologia chamada “25 mulheres que estão fazendo a nova literatura brasileira”, pela editora Record. Fez sucesso. E, como um panorama desse tipo tende sempre a ser incompleto, uma segunda antologia se impôs. É “Mais trinta mulheres que estão fazendo a nova literatura brasileira”. O livro saiu agora, no dia 22 de maio, lançado na Bienal do Livro do Rio de Janeiro, e muitas escritoras que tinham ficado de fora do primeiro só agora são registradas.

A capa não é muito feliz: o desenho é de um número 30 transformado em sola de uma sandália, mas isso não é muito claro a princípio. A capa poderia ser vermelha, ao invés de laranja daquele jeito. Percalços de uma edição talvez apressada.

O prefácio é do próprio Ruffato, e ele esclarece as suas intenções, estabelece certos números estatísticos sobre as relações entre autoras e seus locais de nascimento ou atuação literária etc. Ainda assim, esse tipo de esforço – em que alguns dados comparecem, como o fato de a maior parte da literatura brasileira de hoje, incluindo naturalmente a feminina, ser eminentemente urbana – tende sempre a ser meio vago, porque generalizante. No entanto, amplos e contraditórios como podem ser os resultados de uma antologia que se pretende panorâmica, não se pode deixar de louvar Ruffato por isso. Ele junta o oportunismo editorial – o sucesso da primeira antologia o explica – a ótimas intenções. E é ótimo que tanta gente desconhecida tenha a sua vez.

Um pouco de tudo

Confesso que antologias não me agradam muito, e aqui falo como leitor. São, por natureza, desiguais, e as escolhas sempre nos dão a impressão de que poderiam ter sido outras, em alguns casos, mas é mais difícil avaliar quando os autores presentes são, alguns, até aí inéditos em livro. Faz-se o chamado esforço de simpatia corporativa, em alguns casos, e, em outros, descobertas que parecem interessantes, remetendo a gente que parece promissora. Damo-nos sempre melhor com o que já conhecemos, quase sempre, e com o que já passou pelo nosso filtro de subjetividade. A leitura de novos é penosa, porque esbarra em certos hábitos mentais, certas predileções consolidadas.

Nos contos dessa segunda antologia, reconheço o que pode ser encontrado em muitos contos femininos Internet e jornais e revistas literárias afora – a propensão a um retrato da intimidade da mulher sempre tendendo para a coragem existencial. As lições de décadas de feminismo, de abertura confessional, de luta árdua contra o machismo (que, certamente, nunca terminará) estão lá. As mulheres se confessam, jorram os sentimentos contraditórios, e por vezes os contos assumem formas meio humorísticas, ainda que em tom muito cruel de paródia (“Avon”, de Andréa Del Fuego). Os cenários urbanos, a presença de mulheres de classe média e suas descobertas e náuseas, se sucedem. Vanessa Maranha, de Franca, que já conheço, prova seu talento irônico e poético com “Dias melhores”, desmitificando a relação de uma mulher com sua terra natal, sua família e certo amor do passado. Rosângela Vieira Rocha, de Brasília, que também conheço, conta a história patética-irônica de uma escritora estreante que é rejeitada por seu editor com um argumento absurdo e cai na prostração, em "A oitava onda”. Ana Teresa Jardim mostra humor e uma veia crítica sutil, pela visão de um pedaço do mundo do cinema, em “Vício de roteiro”.

Fiquei com atmosferas interessantes aqui e ali, vi que a força da mítica “transgressão” se faz presente em alguns contos (a tendência a confundir intimidade com obscenidade prossegue fazendo bons e maus efeitos).

O esforço de Luiz Ruffato me pareceu, desde a primeira antologia, muitíssimo elogiável. E creio que mais antologias do gênero poderão aparecer. O que vale, sobretudo, é a visão plural – do qualitativo ao mais ou menos, do melhor ao mais equivocado, as mulheres escrevem, desabafam, criam. Não são diferentes dos homens, de jeito nenhum – erram e acertam, obviamente. Quem lucra é o leitor.

Sobre o Autor

Chico Lopes: Chico Lopes é autor de dois livros de contos, "Nó de sombras" (2000) e "Dobras da noite" (2004) publicados pelo IMS/SP. Participou de antologias como "Cenas da favela" (Geração Editorial/Ediouro, 2007) e teve contos publicados em revistas como a "Cult" e "Pesquisa". Também é tradutor de sucessos como "Maligna" (Gregory Maguire) e "Morto até o anoitecer" (Charlaine Harris) e possui vários livros inéditos de contos, novelas, poesia e ensaios.

Mais Chico Lopes, clique aqui


Francisco Carlos Lopes
Rua Guido Borim Filho, 450
CEP 37706 062 - Poços de Caldas - MG

Email: franlopes54@terra.com.br

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


O CAMINHO DAS MISSÕES, por Henrique Chagas.

Miguel Sanches Neto está morto, por Miguel Sanches Neto.

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos