Crônicas,contos e outros textos

PÁGINA PRINCIPAL LISTA DE TEXTOS João Possidônio Júnior


COMPARTILHAR FAVORITOS ver profile do autor fazer comentário Recomende para um amigo Assinar RSS salvar item em delicious relacionar no technorati participe de nossa comunidade no orkut galeria relacionar link VerdesTrigos no YouTube fazer uma busca no VerdesTrigos Imprimir

São Miguel das Missões Verdes Trigos em São Miguel das Missões/RS - Uma viagem cultural

VerdesTrigos está hospedado no Rede2

Leia mais

 




 

Link para VerdesTrigos

Se acha este sítio útil, linka-o no seu blog ou site.

Anuncie no VerdesTrigos

Anuncie seu livro, sua editora, sua arte ou seu blog no VerdesTrigos. Saiba como aqui

Viagem ao Tibet

por João Possidônio Júnior *
publicado em 20/4/2003.

Sem dúvida alguma, o Tibet é um dos lugares mais místicos e interessantes do mundo. Situado no sudoeste da China, com platôs extensos e com altitudes médias de 5.000 metros, tem em sua beleza natural, paisagens, cultura e religião atrativos vários que certamente encantará quaisquer que sejam seus visitantes.
Para entender melhor o Tibet, seu povo e significado dos lugares, é necessário um certo conhecimento da sua política e religião. Com monastérios e templos espalhados por toda parte, o Tibet se mostra com uma influência budista extremamente forte.

A religião no Tibet é a vida do seu povo, que por sua vez fazem deste lugar algo especial na Terra; com peregrinos de vários povoados fazendo suas orações e demonstrações de devoção nos templos, praças e ruas. O budismo foi introduzido no Tibet por volta do século VII e os seus dirigentes religiosos também tiveram por um longo período o controle político da região. Os monges mais experientes e sábios são denominados "lamas".

O Budismo tibetano, uma variante do budismo Indiano e Chinês, segue os ensinamentos de Buda e acreditam na reencarnação do Buda "Futuro" em uma pessoa humana; esta pessoa por sua vez é tomada como chefe religioso, chamado de Dalai Lama. O atual Dalai Lama, o décimo quarto, vive refugiado na Índia.

Além do Dalai Lama, há também o Banchan Lama (ou Banchan Erdeni), sendo também uma reencarnação do Buda "Futuro" e tomado como chefe religioso do lado oeste do Tibet; os dois lamas dividem (ou dividiam) pacificamente o controle religioso da região. Atualmente existem dois Banchan Lamas, um que foi escolhido e reconhecido pelo povo tibetano e que também vive refugiado na Índia e um outro escolhido pelo governo Chinês e que esta em Pequim.

A influência política Chinesa no Tibet remonta de longa data, e desde o século XIII a China considera o Tibet como uma região administrativa especial, porém efetivamente em 1951, sob o regime comunista, o Tibet se viu pressionado entre a sua forma política de governo e religião e a imposição do sistema de governo Chinês em suas terras. A China chama esta transição de "Liberação Pacífica do Tibet".

Jokhang temple Na prática muito se vê em termos de desenvolvimento patrocinado pelo governo Chinês, no entanto, o povo Tibetano aceita este progresso mas ainda se mantém ligado aos seus princípios religiosos.

A viagem começa geralmente por Lhasa, a capital do Tibet e sua principal cidade. Situada a uma altitude de 3.700 metros acima do nível do mar, em conseqüência com menos Oxigênio no ar, é possível que o turista sinta os efeitos da altitude já nos primeiros dias; podendo aparecer alguma dor de cabeça, tontura ou cansaço sem motivo aparente. Isso pode ser resolvido com descanso, aspirina e evitando-se esforços; se precisar, pode-se comprar algumas garrafas de Oxigênio puro que são encontradas facilmente à venda nos hotéis.

Lhasa, a "cidade dos deuses" ou "cidade ensolarada", como é chamada pelos Tibetanos, é a típica expressão do Tibet, com muitos lugares de interesse turístico. As famosas rodas tibetanas estão em toda a parte com centenas de devotos orando e girando as rodas.

Dentre os vários templos budistas, o mais importante e mais procurado pelos peregrinos, devotos e turistas é Templo Jokhang que está localizado no distrito antigo de Lhasa. Este monastério foi construído no século VII e incorpora características Nepalesas e Indianas em sua arquitetura. Neste monastério acontecem as cerimônias de reencarnação (anúncio) dos Dalai Lamas e Banchan Erdenis e também os debates entre os lamas.

Pray wheelAo redor deste templo caminha em procissão os devotos e peregrinos budistas, não há como ficar de fora, então o turista entra nesta roda-viva e passa a fazer parte desta corrente de energia mística. Há também uma pequena feira ao ar livre onde encontramos desde açougue até objetos religiosos e artesanato.

O maior monastério de Lhasa é o Drepung, situado a 10 Km da cidade, é um conglomerado de templos e um colégio para formação dos monges budistas. É muito fácil se perder caminhando pelas ruas estreitas e sinuosas deste monastério, no entanto existe um encanto mágico neste lugar onde se vê muitos monges estudando, devotos entoando canções tibetanas, penitentes orando em cima de telhados e um visual magnífico das montanhas.

Outro cartão postal de Lhasa é o Palácio Potala, antiga residência do Dalai Lama e ex-palácio do Governo. Hoje este palácio é tido apenas como relíquia cultural e atração turística, e é mantido pelos monges budistas. Localizado no centro de Lhasa, o imponente Palácio Potala foi construído no século VII durante o reinado de Songtsen Gampo, rei que unificou o Tibet e introduziu o Budismo como religião oficial, cobre uma área de 41 hectares. Este palácio de 13 andares consiste de pequenos palácios brancos e vermelhos, sendo os vermelhos para eventos oficiais mais importantes, tem 1000 aposentos, entre quartos, bibliotecas, "stupas" (monumentos que contém relíquias sagradas) e aposentos para os monges.

Na seqüência da viagem, chegamos em Gyantse, uma pequena cidade tipicamente tibetana, famosa pelo seu festival de corridas de cavalos que acontece em Abril. O caminho para se chegar em Gyantse também nos leva ao lago sagrado Yamdro Yumtso, cujo ponto mais alto, a Passagem de Kampa-la a 4794 metros, oferece uma vista esplêndida do lago. Encontramos também várias vilas pelo caminho, todas enfeitadas com bandeirolas com as cores do Budismo: amarelo, azul, branco e vermelho. Vemos também muitos rebanhos de ovelhas e yaks espalhados pelas montanhas geladas.

Em Gyantse, o mais famoso templo fica em Kumbum, no monastério Palcho, e é conhecido como templo dos 100.000 Budas, pois seu interior é todo decorado com inúmeras imagens e estátuas de Buda em suas mais diversas formas e representações. Este templo tem 32 metros de altura e 9 pavimentos. É imprescindível levar uma lanterna, pois não há luz no interior deste templo.
A cidade de Gyantse também é conhecida pelo seu caráter patriótico, pois no ano de 1904 ali aconteceu a batalha contra a brutal invasão Britânica no Tibet. A fortificação de Zhongshan é mantida como monumento histórico dessa batalha heróica, onde milhares de tibetanos foram mortos.

Na seqüência da viagem, prosseguimos para Shigatse, a segunda maior cidade do Tibet. Vale a pena salientar que não existem estradas terminadas entre as cidades mencionadas, a maior parte do trecho é feita por atalhos e desvios, os únicos veículos que trafegam neste caminho são aqueles equipados com tração 4x4, caminhões e tratores Há trechos em que simplesmente não há estrada e o motorista e/ou o guia tem que ter um bom conhecimento do local para que não nos percamos no caminho. Apesar disso, a paisagem é extremamente bonita e a viagem não deixa de ser emocionante, com o carro passando por ribanceiras um pouco assustadoras.

Shigatse é uma cidade de 500 anos de história, situada a uma altitude de 3.800 metros acima do nível do mar, e também onde fica a residência oficial do Banchan Lama.

Tashilunpo MonasteryNesta cidade encontramos o maior monastério do interior do Tibet, o monastério Tashihunpo, com uma área de 300.000 m2 e foi construído no ano de 1447 por Gedun Truppa, discípulo de Tsongkhapa e primeiro Dalai Lama. O monastério incluí várias salas com muitas estátuas e "stupas" com relíquias dos antigos Bancham Lamas. Há também a estátua do Buda de Qiangba em bronze, que é a maior estátua de Buda "indoor" do mundo, com 26,5 metros de altura e é uma relíquia sob proteção do Estado.

Em Shigatse, vale a pena visitar a parte antiga da cidade e a feira popular para compra de artesanatos e artigos típicos do Tibet. Nesta região temos alguns bons restaurantes que servem comida tibetana, entre os pratos mais procurados está o filé de yak.

Deixamos Shigatse em direção a Tingri, a cidade mais próxima do monte Everest ou Qomolangma como é chamado em tibetano. Este percurso tem 250 Km e é um dos trechos mais difíceis de toda a viagem, devido a extensão e as condições ruins da estrada (quando existe estrada). O clima e a temperatura variam muito durante o dia devido a altitude, podendo passar de tempo ensolarado para chuvoso e depois com neve em questão de horas. No caminho passamos por diversas vilas de camponeses, rios formados pelo degelo dos picos nevados e contemplamos as montanhas até chegarmos em Lhatse, uma pequena vila tibetana. Daí então prosseguimos viagem até Tingri onde pernoitamos. Em todas estas cidades e vilas não se encontram restaurantes ou hotéis com características ocidentais, tudo é bem ao estilo Chinês, desde o café da manhã ao noticiário da TV.

Mt. Everest Uma vez no Tibet, o telhado do mundo, é imperdível ir até o campo base do monte Everest e contemplar a montanha mais alta do mundo. O Monte Everest, 8.846 metros acima do nível do mar, é chamado pelos tibetanos de Qomolangma, que significa "Terceira Deusa". A melhor opção é acordar bem cedo e seguir em direção ao monastério Rongbuk, que fica a 200 Km de Tingri e onde existe um alberque que podemos passar a noite, no entanto só há vagas para, no máximo, 40 pessoas e não há telefone para reservar quarto em adiantado, por isso é bom ir cedo para garantir a vaga ao lado do monastério mais alto do mundo, construído no século XVI e situado a 4.980 metros acima do nível do mar, o qual proporciona uma visão extraordinária do Everest.

Do monastério Rongbuk até o campo base do Everest são aproximadamente 10 Km e uma boa opção para quem já se aclimatizou com o frio abaixo de zero graus Centígrados e a altitude de 5.140 metros, é fazer uma caminhada que dura cerca de 3 horas seguindo ao lado do rio que desce das geleiras da montanha. A visão do Everest do campo base é espetacular e emocionante; o lado norte da montanha mais alta do mundo é maravilhosa e o topo com uma grinalda de neve provocada pelos ventos cortantes cria um cenário inesquecível ao expectador.
Ter a oportunidade de ver a olhos nus o monte Everest é sem dúvida alguma um presente divino que nos enche de emoção e é privilégio de poucos. Existe um tanto de realização interior ao chegar no campo base, apesar de toda a dificuldade que é caminhar na neve, abaixo de zero, e naquele ar rarefeito.

Himalaia Mountains Retornando ao monastério Rongbuk, ainda dá tempo de apreciar o pôr do sol atrás das montanhas geladas; o pico do Everest vai se tomando um tom alaranjado até se tornar uma silhueta escura na noite. A noite, por sinal, é repleta de estrelas que parecem estar bem próximas, dando a sensação de que podemos esticar a mão e tocá-las. O dormitório do monastério não tem quase conforto, porém é a melhor alternativa que há no lugar. A imagem do Everest permanece retida mesmo ao fechar os olhos para dormir.

Após visitar o campo base do Everest, o caminho é em direção a Zhangmu, que faz fronteira com o Nepal. Para tanto, deixamos o Parque Nacional do Monte Qomolangma e temos que cruzar a cordilheira do Himalaia, onde o visual da cadeia de montanhas que temos pelo caminho é muito bonito. Ao cruzarmos a passagem de Zhugula, a 5.420 metros, começamos a descer a cordilheira e a paisagem começa a mudar; o terreno árido e picos nevados vão ficando para trás e começam a aparecer pastos mais verdes e a vegetação vai se tornando mais densa, cachoeiras vão brotando na montanha e a neblina aparece entrecortando a mata.

Zhangmu é uma pequena cidade incrustada na montanha, com água abundante devido a suas muitas quedas d’água, e também funciona como entreposto comercial de artigos que são negociados entre a China e o Nepal. O congestionamento de caminhões com mercadorias é impressionante e o trânsito é difícil neste trecho.

Ao atravessarmos a fronteira com o Nepal, o Tibet fica definitivamente para trás; toma lugar os rostos, vestimentas e características nepalesas, que são muito parecidas com o estilo Indiano. Ficam na lembrança (e nas fotos) as imagens de um lugar indescritivelmente místico e maravilhoso. Os sons das canções e rezas tibetanas ainda ecoarão na memória por muito tempo, assim como as palavras sagradas “Om Mani Padme Humm”.

Informações adicionais:

http://www.tibet-tour.com
http://dalailama.com
http://homepages.ihug.co.nz/~greg.c/tibet.html

Sobre o Autor

João Possidônio Júnior: João Possidônio Júnior está na CHINA, vive em Xangai há mais de 03 anos e deve retornar ao Brasil em outubro deste ano de 2002 e promover uma exposição de suas fotos do TIBET. Possidônio nasceu em São José dos Campos, em meio a Revolução de 1964, cresceu no sub-distrito de Eugênio de Melo. Possidônio também é engenheiro mecânico, fotógrafo, artista plástico, pintor e poeta. E, seguindo uma vontade interior de expressar suas idéias e mensagens, vem ao longo de muitos anos produzindo trabalhos de pintura, desenho, escultura, poesia e fotografia. Este ano, ele lançou seu livro “Neblina - Poemas e Apontamentos”, em Xangai. Mesmo morando na China, é membro do Núcleo Fotográfico de Eugênio de Melo. Com inspiração e olhar atento para o cotidiano simples do ser humano e paisagens que o cercam, as fotos revelam ao observador algumas imagens captadas durante as viagens do artista pela Ásia.

< ÚLTIMA PUBLICAÇÃO | TODAS | PRÓXIMA>

LEIA MAIS


Filigranas de Tocantins, por Rosângela Vieira Rocha.

LUCA PRODAN: una pasión que no tiene fin!!, por .::. Verdes Trigos Cultural .::..

Últimos post´s no Blog Verdes Trigos


Busca no VerdesTrigos